Tome ciência.

Queremos pegar você pela mão e explicar porque é essencial monitorar sua saúde reprodutiva e chamar para si o protagonismo do seu corpo.

Nascemos completas

Nascemos completas

Você sabia que já nascemos com todos os óvulos que teremos pela vida? Temos aproximadamente 2 milhões de óvulos, sendo que podemos chegar a perder até 1.000 deles a cada menstruação. Chato, né?

Idade importa

Idade importa

A idade é o fator mais importante quando pensamos na nossa saúde reprodutiva. Estudos mostram que a partir dos 35 anos nossa fertilidade começa a cair.

Nascemos completas

Qualidade vs Quantidade

A qualidade dos óvulos é mais importante que a quantidade! E essa qualidade envelhece junto com a gente. Por isso, quanto antes começarmos a monitorar nossa fertilidade, melhor será a chance de uma maternidade no futuro.

Planeje
sua vida
reprodutiva

Entenda como a idade é um dos fatores essenciais para sua fertilidade.

Sua
idade

Idade para ter
seu primeiro
(ou próximo) filho

Número de
filhos que
você quer ter

Tempo
entre
filhos

2 anos

Os médicos recomendam pelo menos 2 anos entre os nascimentos para que seu corpo possa suportar sua próxima gravidez

Entenda como a idade é um dos fatores essenciais para sua fertilidade.

% de mulheres que não conseguem engravidar naturalmente por idade
4.5%
Aos XX anos

O risco de aborto é de: 15%

4.5%
Aos XX anos

O risco de aborto é de: 15%

4.5%
Aos XX anos

O risco de aborto é de: 15%

4.5%
Aos XX anos

O risco de aborto é de: 15%

4.5%
Aos XX anos

O risco de aborto é de: 15%

Menopausa

Marcada pelo ano completo sem menstruar. Significa que seu estoque de óvulos se esgotou e a gravidez não é mais possível.

Climatério

Período de transição em que você passa da fase reprodutiva para a não reprodutiva. Este período pode começar até 10 anos antes da última menstruação (menopausa).

Hoje
Idade
5 anos
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
Climatério

Período de transição em que você passa da fase reprodutiva para a não reprodutiva. Este período pode começar até 10 anos antes da última menstruação (menopausa).

41
42
43
44
45
46
47
48
49
50
Menopausa

Marcada pelo ano completo sem menstruar. Significa que seu estoque de óvulos se esgotou e a gravidez não é mais possível.

51Média
52
53
54
55
56
57
58
59
60
61
62
63
64
65
66
67
68
69
70
71
72
73
74
75
76
77
78
79
80

A ferramenta utiliza dados clínicos e demográficos por idade para auxiliá-la no seu planejamento reprodutivo. Estes dados são baseados em médias de estudos científicos. Portanto, é apenas um ponto de partida para seu conhecimento e escolhas. Lembre-se: cada corpo é único.

Hormônio Antimülleriano

Navegue pelo nível hormonal e entenda como o AMH impacta sua reserva ovariana.

Antimülleriano

Clique no nível hormonal
baixo médio alto

O AMH é produzido pelos nossos ovários e é o que melhor se relaciona à quantidade de folículos disponíveis, utilizado como marcador da reserva ovariana.

Lembre-se: o AMH não é preditor de gravidez. O que este hormônio faz é ajudar você a entender a sua reserva ovariana em relação ao seu momento de vida.

AMH baixo indica a possibilidade de você ter uma janela reprodutiva

Não é só o tempo entre filhos, mas o espaço de tempo que somos férteis.

menor.

A dosagem baixa de AMH indica que você tem menos óvulos que o esperado para sua faixa etária. Lembre-se: AMH não é preditor de gravidez, mas sua dosagem baixa pode influenciar na resposta de procedimentos como congelamento de óvulos e FIV.

Alguns estudos mostram a correlação entre reserva ovariana e menopausa. Desta forma, é possível que você venha a experienciar a menopausa de forma antecipada. Em média, a menopausa acontece aos 51 anos, mas esse período pode começar até 10 anos antes e esta idade pode variar por diversos fatores como estilo de vida e etnia.

AMH na média não deve impactar na sua janela reprodutiva

Não é só o tempo entre filhos, mas o espaço de tempo que somos férteis.

.

Você provavelmente tem quantidade de óvulos - reserva ovariana - dentro do esperado para sua faixa etária.

Estudos mostram que, ao longo do tempo, o declínio da quantidade de óvulos acelera e que, em média, a menopausa acontece aos 51 anos e esta idade pode variar por diversos fatores. Por isso, é importante começarmos a monitorar a nossa fertilidade com antecedência.

AMH alto não deve impactar na sua janela reprodutiva

Não é só o tempo entre filhos, mas o espaço de tempo que somos férteis.

.

Com AMH alto, indica que você tem boa quantidade de óvulos, ou seja, uma boa reserva ovariana. Quando associado a outras condições clínicas, pode ser um indicativo de Síndrome dos Ovários Policísticos - uma condição de ovulação irregular ou até mesmo a falta dela - o que pode interferir no seu potencial reprodutivo. É uma doença de difícil diagnóstico, então, conheça seu corpo!

Alguns estudos mostram a correlação entre reserva ovariana e menopausa. Desta forma, é possível que você venha a experienciar a menopausa de forma tardia. Em média, a menopausa acontece aos 51 anos, mas esse período pode começar até 10 anos antes e esta idade pode variar por diversos fatores como estilo de vida e etnia.

Comece sua jornada de fertilidade

Esta ferramenta foi construída com base em estudos científicos, tais como:

Porcentagem de mulheres que não conseguem engravidar naturalmente:

  • Eijkemans, Marinus JC, et al. "Too old to have children? Lessons from natural fertility populations." Human Reproduction 29.6 (2014): 1304-1312.

Risco de aborto:

  • Andersen, Anne-Marie Nybo, et al. "Maternal age and fetal loss: population based register linkage study." Bmj 320.7251 (2000): 1708-1712.

Menopausa:

  • Harlow, Siobán D., et al. "Executive summary of the Stages of Reproductive Aging Workshop+ 10: addressing the unfinished agenda of staging reproductive aging." The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism 97.4 (2012): 1159-1168.
  • Lay, Duarte, Chiavegatto Filho. "Factors associated with age at natural menopause among elderly women in São Paulo, Brazil." The Journal of The North American Menopause Society (2018).

AMH:

  • Iwase, Nakamura, et al. "Anti‐Müllerian hormone as a marker of ovarian reserve: What have we learned, and what should we know?" Reproductive medicine and biology. 2016 Jul; 15(3): 127–136.
  • Hart, RJ. "Physiological Aspects of Female Fertility: Role of the environment, modern lifestyle, and genetics." Physiol Rev 96: 873–909, 2016